Na sombra do vazio

As gajas boas passam

e sinto me atraído por elas.

Mas é como uma comida sem sabor,

as gajas passam e é como se estivessem

a passar num ecrã.

Posso ver mas não posso tocar.

 

O amor passou e eu agarrei-me a ele,

foi apodrecendo, foi se esvaindo,

como areia que desliza pelos dedos da mão.

Tento retomar a sua já doentia memória,

mas a triste verdade é que já não sei o

que isso é.

Procuro sentir um sabor que já não sabe.

 

A esperança é como uma ferida

que já tantas vezes prometeu cicatrizar.

A ferida continua aberta.

 

O mundo à minha volta parece esterelizado.

Não sinto qualquer emoção.

 

Repito para mim próprio: o mundo é tão grande,

o mundo é tão grande...

O mundo é tão grande que em algum lugar

todas estas coisas brilham de outra maneira.

publicado por Rojo às 17:53