Anti-capitalismo

O que é o Capitalismo? O que é o Estado? O que é o Capitalismo de Estado?

 

1 - Capitalismo é um regime governado pelo Capital. O que é o Capital? Capital é a posse de Meios de Produção, vulgaramente conhecidos como "empresas", por parte de proprietários privados. É um regime movido pelo lucro, como sabem. Neste regime, refiro-me ao caso de Portugal e portanto à variante "democracia burguesa" ou liberal, o poder é exercido directamente na economia e relações sociais pelo Capital nas empresas e indirectamente na política de Estado através dos partidos do Capital. O anti-capitalismo num sentido amplo procura estabelecer uma sociedade igualitária, uma sociedade sem classes.

 

2 - O Estado é acima de tudo, na sua essência, um "corpo de homens armados" - citando pensadores marxistas. O Estado tem um papel chave no Capitalismo como teve e tem um papel chave em regimes ditatoriais anteriores: feudalismos, colonialismos, impérios. Mas na minha opinião o Estado é também a resposta expontânea à virtual ausência de paz no mundo, ou seja, de armistício, relações pacíficas, fraternas e solidárias entre diferentes povos/nações. A questão do Estado coloca-se em primeira instância na questão chave do Exército para a sobrevivência de qualquer povo alvo de ameaças externas.

 

E na minha opinião a diferença entre Milícias Populares, Exército Irregular e um Exército Regular são téunes e tendencialmente efémeras num contexto de confronto militar, seja guerra civil ou de resistência a uma invasão externa. O Exército Negro Ucraniano de Nestor Makhno não teve outra solução senão adoptar medidas coercivas contrárias à "retórica libertária" contra qualquer autoridade e hierarquia, como a conscrição, a afectação de recursos em prol do esforço de guerra, a inevitável existência de comandantes mesmo que elegíveis e revogáveis...

 

Todas as grandes Revoluções dentro do "espectro de ideias" anticapitalistas (anarquistas, marxistas e outras) foram imediatamente confrontadas com situações de  confronto militar, seja guerra civil ou de resistência a uma invasão externa. A Revolução Soviética de 1917 foi imeditamente confrontada com a contrarevolução do Exército czarista apoiado com homens e armas de todas as as grandes potências capitalistas e feudais daquele tempo. No "espectro de ideias" anticapitalistas a necessidade de desfazer o Estado é cosensual, mas o seu papel numa fase de transição é motivo de divergências. Pessoalmente agrada-me a ideia de equilíbrio de poderes entre Estado e Conselhos Populares (Assembleias, Sovietes) numa transição para a sociedade sem classes.

 

3 - Capitalismo de Estado. Concordo que a República Popular da China é hoje um Estado capitalista e que a designação de Capitalismo de Estado para casos como este, de reintrodução do Capitalismo em regimes socialistas marxistas pode ser uma análise correcta. Mas tenho sérias reservas quanto a um uso generalizado com frequência abusivo da expressão "Capitalismo de Estado". O Socialismo marxista não representa a meu ver nenhum "Capitalismo de Estado" dado que não concordo que possa existir qualquer forma de Capitalismo sem qualquer forma de Capital - leia-se Meios de Produção nas mãos de proprietários privados.

publicado por Rojo às 11:36